Não sou de falar sobre nada muito pessoal aqui no blog, nem nas redes sociais, mas estou passando por uma fase louca & cheia de descobertas que acho que vale a pena trazer pra cá num bate papo legal. Sim, vai ser um post pé-de-feijão, daqueles que se entendem até perder de vista, mas queria abrir o coração um pouquinho e acho que pode rolar uma leve identificação com alguma de vocês no meio dessa história. 😉

Já comentei por aqui várias vezes, que não é de hoje que sou blogueira, é algo que começou a anos atrás e que acabou me trazendo interesses profissionais que me norteiam hoje em dia. Sempre gostei, sempre acompanhei e sempre curti estudar o assunto, mas fui finalmente levar a sério como trabalho a pouco tempo, com uma maturidade recém-descoberta e ainda em desenvolvimento. rs

seja você mesmo, vergonha de ser blogueira,
Pois bem, deixe explicar direito…

Sempre fui da comunicação! TODA vez que mamãe ia a reunião, a reclamação era sempre a mesma: “Ela é boazinha, mas fala demais e acaba fazendo os outros alunos acompanharem a conversa!” ( Isso quando pequena, depois de grande fazia de tudo pra que não fossem a minha reunião. rs), nasci assim e continuei sendo assim, a única coisa que mudou é que conforme foi entrando adolescencia, foi começando aquela coisa de querer ser igual, seguir o fluxo e daí a vergonha de fazer qualquer coisa diferente de todo mundo. Pra melhorar, sempre fui de andar com a galera mais velha, não que eu não tivesse amigos da minha idade, tinha, sempre fui de falar com a turma toda, mas queria acompanhar o ritmo da galera mais velha e mais uma vez seguir o fluxo, daí, quando entrei pra blogosfera, foi em segredo, não queria que ninguém soubesse, pra não me acharem boba, fútil ou sei lá, morria de vergonha. PURA BOBEIRA! Eu sei, só que o problema é que por não ter vencido isso quando nova, fui levando… Dois dias depois da minha formatura do Ensino médio conheci Mozi, umas três semanas depois, “ficamos” e daí já contamos como namoro, gelava só de pensar em Thiago vendo o blog, medo de ele me achar uma boba, que não tinha mais o que fazer. O que pega nessa história toda é que ser blogueira, até hoje é visto como bobeira, falta do que fazer e nessa época, a uns 4 , 5 anos atrás era ainda pior e eu fui me moldando por ai. Daí veio a faculdade, comecei a trabalhar, de tanto esconder, fui perdendo a vontade de continuar o blog e em 2012 dei fim no Loira Tagarela.

Voltei a minha vida online em 2014, quando a Tô Amando começou a sair do papel. Voltei para a blogosfera, mas do outro lado da força, como empresa. A blogueira que há dentro de mim não aquietou o facho até que finalmente cá estou eu, timidamente de volta desde dezembro, neste espaço desde de fevereiro, com poucos posts sim, mas com resultados inimagináveis…
Muitas redes sociais pra gerenciar, a loja, o blog, a página indiretas de blogueira, meu emprego com minha mãe e meu novo emprego na workblog. E sabe a única coisa que até hoje, neste exato dia não havia mudado? A forma como eu fazia questão de esconder tudo isso, a mania de querer antecipar e me poupar da reação das pessoas ao descobri que sou blogueira, a mania de querer aparentar uma seriedade que eu nunca tive, de querer esconder meu lado sonhador e “bobo”, meu lado fútil que sempre gostei! rs

Fiquei com vontade de falar sobre isso depois de ouvir a Priscila #gata, do Coisas de menina indecisa, falando sobre medos e acabei descobrindo que isso tudo era medo!
Medo de ser julgada e medo de me mostrar realmente.

Bom, eu sou a Tati, que fala pelos cotovelos, como todo mundo está cansado de saber mas que adora escrever também. Não escrevo sobre política, religião e nem debato assuntos de grande ajuda para o desenvolvimento da humanidade. #mejulguem #perdiomedo
Gosto de compartilhar um pouco do meu dia a dia, gosto de falar de marketing, de moda, beleza e até faço #esmaltedasemana. Futilidades ? Algumas sim, posso até dizer que conseguiria viver sem tudo isso, mas não posso afirmar que seria tão divertido!

Namoro a quase 5 anos, estou noiva desde janeiro, sempre tivemos um relacionamento de muita amizade e é até engraçado que em todo esse tempo, só agora que Mozi veio conhecer #eublogueira. Por quase 5 anos eu deixei de compartilhar isso com ele por medo de que? Ele já está cansado de me conhecer! Foi só aquele efeito bola de neve sabe? Uma coisa pequenininha, que acumulada me fez perder várias oportunidades nesse mundo da blogosfera, pois pensem, se eu tivesse persistido e deixado esse medo bobo de lado, poderia estar muito mais estabilizada na área. Auto sabotagem TOTAL, perdi oportunidades muito bacanas nesses 5 anos, por vergonha e vergonha de que? Sinceramente nem me entendo. rs

Depois de tudo isso, ainda não acabei .. hehe
Fiquei pensando o por que de ter de ter vergonha do blog, como se não fosse realmente trabalho. Eu teria vergonha de expor que estava trabalhando como redatora em uma revista? Com certeza não. Assim como não tenho vergonha de falar que trabalho com Marketing digital e mídias sociais. E por que não me vangloriar de ser redatora em um espaço meu? Por que ser blogueira, me deixava tão envergonhada? Vi que era um preconceito meu, mas baseado no que as pessoas pensam quando falamos: Tenho um blog, sou blogueira!

Sei que é polêmico falar disso, afinal, é o meu meio de trabalho (não exclusivamente, mas em grande parte.) e tem muita gente que gosta de levar pro lado pessoal e fazer mimimi, mas fico matutando e entro na questão, será que o que pensam ta completamente errado? Porque quando mais vou entrando nesse meio, mais vou vendo as coisas que estão erradas e precisam mudar. Essa vergonha de “ser blogueira” não é só a questão de eu morrer de vergonha de saber que alguém próximo a mim está lendo o que escrevo, – vou vencer isso! – é por vergonha de ser associada a tudo que está errado nessa blogosfera. Como já falei antes, meu blog não é de grande ajuda para humanidade, não estou escrevendo em prol de causas nobres – pelo menos não ainda, mas pretendo ♥ – mas não é por questão de conteúdo, posso amar saber sobre cada lançamento de beleza e moda e isso não quer dizer que eu seja fútil. Mas se eu criei um blog só pensando em ficar rica e ganhar presentinhos de marcas, se quero crescer as custas do sucesso dos outros, se quero pagar de superior por ter amizades influentes ou por me achar a última coca-cola do deserto só porque recebi alguma proposta por conta do blog, sim, ai seria fútil. A boa notícia é que gente assim não vai longe e a má é que de tantas serem assim, surge toda uma má impressão quando se fala em blogueiras. Como comentei no post sobre o EBSA, depois da listinha A blogueira que você não deve ser… SEJA a blogueira que faz a diferença, que faz por amor e que quer crescer não só com o blog, mas como pessoa. Se você for essa pessoa, você sim, vai longe ♥

Então, vamos fazer a diferença? Vamos traçar esse caminho e acabar com essa imagem ruim que se tem das blogueiras? Fazendo isso vamos ajudar outras “Tatis” que adoram blogar e morrem de vergonha, pois ser blogueira vai ser visto como trabalho e não brincadeira de criança boba.

Como em todas as minhas conversas, comecei com um assunto e fui mudando o rumo até chegar aqui . hehe
Mas depois de anos escondendo algo, ter essa sensação de alivio por acabar com um medo bobo, tinha que rolar um post né? Sei, prolonguei e puxei outros assuntos, mas me digam, não rola isso muitas vezes? Porque finalmente não batalhar pra acabar com isso? Vamos fazer essa blogosfera ficar cada vez mais linda, cheia de gente do bem! Se cada um faz sua parte pra que o trabalho como blogueira seja reconhecido, as que querem fazer tudo errado vão minando aos poucos 😉

Agora a pergunta que não quer calar, sou só eu que tenho todos esses problemas ou não estou sozinha? Conversem comigo ♥♥

Author

Carioca, libriana e blogueira responsável pelo blog Tati Souza. Noiva do Thiago e mamãe do Fred #yorkshire. Amo praia, sol, natureza e não vivo sem esse contato. Moda, beleza e blogosfera são assuntos que adoro conversar, pra relaxar, praia, livros e reggae.

19 Comments

  1. Adorei o post Tati,li tudinhoooo! Conheci seu blog hoje e já posso dizer que ESTOU AMANDO! Super me identifiquei com o que vc escreveu, porque embora eu esteja blogando desde 2011 só tem um mês que resolvi encarar com algo mais ´serio e tinha os mesmo receios que vc , com o agravante que está sendo meio dificil convencer o maridão da seriedade da coisa toda e que blogar pode ser sim um trabalho e não uma perda de tempo.

    • Joyce, aqui até que ele entendeu o lance de ser realmente um trabalho, visto que eu trabalho com blogs além do meu, o que pega é que ainda não tenho grandes re$ultado$ pra justificar a quantidade de horas que passo online, nem o vício de checar a caixa de entrada e redes sociais a cada 5 min. rs
      Estou batendo na mesma tecla um zilão de vezes, mas sei que uma hora ele entende de vez e vai chegar a hora que ele vai amar ser noivo de blogueira. rs #Deusqueira. ♥

  2. Curti seu post, não foi o meu caso, que bom que conseguiu vencer esse medo, a vergonha, porque seu trabalho é lindo!
    Tem muita gente que não sabe de nada e quer opinar no que não conhecem…
    Encarei isso de boa porque eu gosto e não tô nem aí para o que falam, nem sabem o que realmente é ser blogueira, o trabalho que dá.
    E sobre as pessoas interesseiras na blogosfera, infelizmente existe e muito, mas como disse: se faz a diferença e com amor, vai longe!
    E resultado está aí!
    bjos!

    http://www.faseseestacoes.com.br

    • O que ainda pega pra mim é que realmente, do jeito que está, ão quero ser relacionada como “brogueira” rs
      Maaaas, sei que pra ser BLOGUEIRA tenho que parar com essa bobeira, arregaçar as mangas e mudar a mente de quem eu realmente me importo com a opinião, fazendo entender todo esse trabalhão e o tanto de sucesso que nôs espera quando fazemos com amor e encontramos nosso diferencial na multidão!
      Super obrigada Sabrina, é ótimo ler comentários como o seu, dá mais vontade de prosseguir. ♥

  3. Antigamente eu nem sabia o que ter um blog poderia significar, mas também não compartilhava as coisas que eu escrevia. Rolava esse medo do julgamento das pessoas e tal. Mas por ter canal no youtube há bastante tempo e ser cara de pau quanto a divulgar isso, foi mais simples. Deixei de ser julgada? Não. Pessoas da minha família acham meu conteúdo inútil e querem ver “seus assuntos favoritos” no meu blog. O que eu posso fazer? Nada. Apesar de eu tratar de variedades, essas variedades estão dentro do contexto da minha vida. Não vou falar de futebol ou de qualquer outra coisa que não tem a ver comigo que já tenham sugerido. Acho que faz parte. Eu nunca respondo a essas coisas porque nunca tenho uma resposta (na hora – depois surgem várias e eu fico tipo “podia ter falado isso”). De qualquer maneira, caguei um monte pra quem não gosta. Ainda não recebo por trabalhar no meu blog, mas gosto de ter um blog. Também voltei pra blogosfera em 2014, mas me sinto engatinhando. Entretanto nada disso vai me fazer parar porque cada vez mais as pessoas me fazem acreditar que sou boa nisso. Resumindo: acho que quase todo mundo tem uma “encucação” com isso de ser blogueira e falar coisas que pra algumas pessoas é futilidade. E, olha, você não é a única tagarela. Hahahaha
    Beijos ♥

    • Elisa *-* ♥
      Eu ainda to presa nessa ideia porque queria que realmente que a blogosfera fosse diferente, mas vejo que é um caminho que vamos ter que trilhar, então, uma hora as pessoas se acostumam! Aqui tb vivo tendo pitacos sobre como fazer e o que fazer no blog, ou na vida, mas estou tentando cada vez mais focar no que realmente quero e “tampar” os ouvidos pro resto, meu problema é que não é uma coisa que é só com o blog, sempre fui de dar muita ideia pra opinião alheia e tenho que parar com isso, JÁ! rs
      Também tenho a sensação de estar engatinhando, mas vira e mexe me pego dando uma ousada e levantando p dar um passos mais firmas. ♥
      O legal de ser tagarela é que a gente sempre arruma alguém pra bater um papinho, na fila do banco, na condução… e ai tudo passa mais rápido. hehe
      Super beijo, amei ver você por aqui *-*

  4. Oi, Tati!! Que bom que tu publicou esse texto. Eu já tinha visto o título aqui, mas precisava de senha para ler e eu confesso que fiquei morrendo de curiosidade. hahaha Já fui de me importar demais com as coisas que os outros pensam sobre mim, mas ultimamente chega, sabe? Se eu viver querendo agradar os outros simplesmente não vou viver. E vai dizer que as pessoas que acabamos admirando mais não são aquelas imperfeitas (como todas as outras) mas que confiam em si próprias e são elas mesmas? Eu adoro gente assim, é inspirador e eu quero um dia conseguir ser assim. Acho que adquirimos isso com a maturidade. Enfim, o meu blog é novinho, eu comecei ele em março desse ano mesmo, e no início eu não divulgava nada na minha timeline do facebook, por exemplo. Sentia vergonha. Um dia, não lembro exatamente o motivo, resolvi tomar coragem de divulgar e a minha surpresa foi que bastante gente gostou muito e até veio elogiar. Até hoje me surpreendo e fico muito feliz com qualquer comentário, seja de alguma pessoa que não me conhece, seja de algum amigo, de familiares… No fim, eles acabam me estimulando demais e isso só acontece porque deixei que eles conhecessem o meu espacinho na internet. Sobre os blogueiros que são a “vergonha da categoria”, melhor deixá-los pra lá e não dar ibope. Enfim, que bom que tu perdeu a vergonha, fico muito feliz por ti, pois teus posts são ótimos e adoro vir aqui. Um beijão!

    • Eu sou uma verdadeira ameba. rs
      Eu escrevi num surto de inspiração da madrugada, daí queria que as amigas lesses antes e eu mesma queria deixar pra ler com calma depois, liberei pra algumas amigas acessarem e ali ficou por quase 15 dias, até que alguém reclamou comigo e eu tomei vergonha na cara pra dar um jeito na situação. rs
      Tenho sido uma blogueira meia boca e isso vai melhorar, não pretendo mais ficar semanas sem post aqui. hehe
      EU QUERIA MUITO SER ASSIM, DE NATUREZA. Sempre tive esse bloqueio, essa mania de querer ser cool (rs) e isso atrapalha! O bacana é naõ ter vergonha de ser do jeito que for, mesmo que meio estranho e sempre tive essa palhaçada. Ms vou por ordem na casa e acabar com essa bobeira de ficar com vergonha!

      To muito muito muito feliz com os comentários que tenho recebido aqui e nas mensagens privadas, estou recebendo muito apoio pra me libertar da caixinha e creio que aos pouquinhos tenho me soltado. Pelo menos com as pessoas que vou conhecendo agora, já não tenho mais papas na lingua na hora de dizer que “trabalho com internet! Com mídias sociais e blogs. Sou blogueira!” 😀

      Quanto a vergonha da categoria, temos que de alguma forma tentar ir melhorando isso… mesmo que não seja um motivo pra nos atrapalhar, mas tem que ser um motivo de constante estudo e dedicação a causa, temos de mostrar que não é brincadeira pra nós como é pra maioria, mas isso é simples, levamos a sério o nosso e tentamos de alguma forma passar essa visão as outras pessoas, com o tempo esse trabalho de formiguinha chega em algum lugar !

      Super super obrigada pela mensagem de carinho, me deixou muito feliz e motivada. Fico mega contente de saber que você gosta do blog, prometo ter conteúdo com mais frequência, pra ter realmente motivos pra voltar! rs
      Beijo Jonara ♥

  5. Raffaela Pacifico Reply

    Oii Tati, conheci seu blog hoje e estou amando tudo aqui. Me identifiquei muito com a sua história, eu tenho um blog e que também não tenho coragem de dizer pra ninguém que eu tenho, o pessoal de casa todos sabem e me apoiam muito, mas eu ainda tenho receio de dizer para todos meus amigos que tenho um. Sou blogueira desde 2013 e, desde lá tenho vergonha de divulgar para as pessoas que conheço.
    Esse ano comecei com outro blog, pois foi como você, fiquei com tanta vergonha de divulgar que desanimei de postar, mas ainda assim com esse novo, não consigo dizer pra todos, sabe? É tanto que fiz outras redes sociais só para o blog pra ninguém descobrir e o engraçado é que mesmo assim eles descobrem, acredita? E acabo ficando com receio de publicar nessas redes sociais porque eles seguem, vê se pode? Não sei porque tenho esse receio, acho que é o medo das pessoas julgarem e, dizer que é coisa de gente que não tem o que fazer ou é só bobagem minha, estou tentando reverter a situação, pois se eu perceber que não vou consegui o jeito é abandonar meu amado cantinho e não quero que isso aconteça. Enfiim, um dia tomo coragem de dizer para Deus e o mundo que tenho um blog e tomara que esse dia não demore hehehe.
    Beiijo!

    • Fazia a mesma coisa! Evitava qualquer forma de divulgar que pudesse ser descoberta por algum conhecido. A única coisa que venci com relação a isso foi o instagram, mas daí mudei nome e segui usando como pessoal e do blog, mas meus amigos que me seguiam estão lá! rs
      Aqui todo mundo apoia também! Meu noivo ainda reclama, acha que perco tempo, mas já entende um pouco mais, sei que com o tempo isso vai melhorar. Esse medo das pessoas julgarem é metade bobeira nossa e metade comparativo com o que não queremos ser comparadas, pelo menos pra mim é assim. Não quero dizer que sou blogueira com a imagem de blogueira que as pessoas tem, a maioria acha que é falta do que fazer, mas é um trabalho com qualquer outro. Vamos reverter isso, vamos lutar pela classe.rs
      Se precisar de uma amiga passando pelo mesmo perrengue, é só chamar . 😉
      Super beijo Raffaela, vamos nos unir e desafiar nosso medos, que tal ? ♥

  6. Adorei o texto, muito bom mesmo! Ainda vejo algumas blogueiras com medo, vergonha, e entendo o quão é difícil. Porque no começo também me senti um pouco insegura em relação a isso, mas depois com o passar do tempo, cai na real, sabe? Percebi a verdadeira importância do blog pra mim, comecei valorizar mais o meu cantinho, hoje sou completamente apaixonada e totalmente segura do que faço!

    • Oi Luana 🙂
      Eu acho engraçado que tenho maior carinho com tudo por aqui, busco estar sempre trazendo o que tenho de melhor pra esse espaço, mas na hora de mostrar isso as pessoas que já me conhecem, fico cheia de vergonha . rs
      Desisti de tentar me entender e vou focar em produzir conteúdo, assim quem sabe uma hora não dou a louca e me libero pro mundo ? rs

      Eu acho mega lindo quando não se tem vergonha ou medo de se mostrar, queria muito ser assim, to na esperança ainda. Tudo fica mais fácil desse jeito, pode ter certeza! Super beijo Luana, sucesso a você e ao blog e obrigada pela visita e pelo comentário ♥

      • Eu também acho super lindo Tati, e ainda tenho vergonha sim, mas acho que nem tanto como antes. Achei seu blog super interessante com muito conteúdo legal e bonito, sério. Não sabia que você tinha medo ou vergonha ainda, porque não parece nenhum pouquinho. Mas obrigada, sucesso com o seu blog, tenho certeza que já faz muito! ♥

        • Acho que acontece ou aconteceu com muita gente, mas a maioria não expõe. Eu ainda tenho essa bobeira, mas espero que em breve isso vá sumindo. Aos pouquinhos tenho soltado mais o assunto na roda de amigos.. rs
          Fico feliz de saber que mesmo confessado abertamente não parece. Tenho bastante segurança com relação ao blog, mas ainda não com me apresentar como blogueira. rs
          Sucesso a você e seu blog também, agradeço o carinho e o retorno, é uma delícia saber que alguém voltou, dá sensação de conquista! rs
          Super beijo Luana, será sempre bem vinda 🙂

  7. Oi Tati, acho que todas já passamos por isso, tenho o blog a 7 anos, e muitas pessoas ainda não sabem rsrs…amei seu post, cada um faz o que gosta e sabe,,,to voltando, se puder me visitar ficarei muito feliz…beijos

    • Obrigada Carlinha ♥
      Nooossa, não tenho esse tempo nem como blogueira e nem com meu atual blog, ainda assim passamos pelo mesmo problema. Como pode, depois de tanto tempo, ainda termos vergonha de algo que faz parte de nós ? rs
      Eu voltei, mas ainda estou voltando a blogosfera, sabe? Ainda falta tanta coisa pra me readaptar aqui, com o tempo vou dando um jeitinho nisso e logo logo espero deixar essa minha bobeira de lado.

      Beijo ♥

  8. Querida! Foi pelo seu post e pelo conselho de uma amiga que eu te conheci e me encorajei na vida! Sério mesmo! Me identifiquei super com “Não escrevo sobre política, religião e nem debato assuntos de grande ajuda para o desenvolvimento da humanidade.”
    Eu luto por causas sociais, falo de comportamento, cinema, arte e música, adoro ouvir música clássica, ler livros de filosofia, e por estas razões, eu tenho pessoas do mesmo meio no facebook. Mas, essas mesmas pessoas pensam que falar de estética, beleza, maquiagem e culto ao corpo é balela porque “não contribui em nada no mundo, mulheres tem que ser naturais”. E eu apesar de gostar de tudo isso, eu amo a área estética, de uma paixão que nossa!

    Eu sempre divulguei meus posts na minha timeline, e quando surgiu a hipótese de postar algo relacionado no meu blog, eu automaticamente desisti pois não sei como reagiriam, o que falariam, as pessoas davam um estereótipo que eu fiquei presa nele. Isso foi me deprimindo, porque eu estava me escondendo atrás de livros do Charles Bukowski, ao invés de falar de Bukowski e também do delineador bbb que achei num site no fim do mundo dias atrás!

    Hoje, eu respirei fundo e comecei a escrever tudo o que foi dando na telha, que não é porque que eu gosto disso, que vou deixar de gostar daquilo… E que também eu duvido que um ser humano fale de Gabriel García Márquez e vinhos chilenos 24 horas por dia! Publiquei, e agora estou livre e vou postar o que eu quiser sem medo de ser feliz. Dei o título pro post “SE ACHAR FÚTIL E DESNECESSÁRIO O CONTEÚDO DE ALGUNS FUTUROS POSTS, LEMBRE-SE: O BLOG NÃO É SEU.” E soltei o verbo!

    Muito obrigada, Tatiane! Muito obrigada mesmo!

    Se quiser olhar o post tá aqui ó: http://www.avenidamundo.com.br/2015/07/se-achar-futil-e-desnecessario-o.html

    Mil beijos e sucesso!

    • Oi Gabriele 🙂
      Fique encantada com teu comentário e fico muito muito muito feliz de ter feito alguma diferença na sua vida! É delicioso saber que algo que escrevi como um desabafo, serviu de ajuda para alguém. Engraçado que eu sempre fui bem eclética, com relação a tudo e até meus amigos e o gosto cultural dos mesmos. O que me deixa mais com o pé atrás na hora de divulgar o que faço aqui é que não sei exatamente qual a imagem que eles irão relacionar minha pessoa, que eles já estão cansados de conhecer. Fico pensando que eles vão esquecer um pouco a eu que eles já estão acostumados e me relacionar com a “BROGUEIRAS” ( com R mesmo!) que estão espalhadas aos tantos pela blogosfera. Quero continuar sendo eu e ser mais essa minha parte “boba” ao mesmo tempo. AMO conversar sobre política, AMO tudo que tem a ver com ecologia e sustentabilidade, sou do tipo que fica revoltada ao ver alguém jogando lixo no chão ou não manado qualquer animal do jeito que merecem (com todo coração), sempre penso em buscar ajudar mais as pessoas e o meio ambiente da forma que posso e sou completamente viciada em livros, assisto o canal history, Discovery e adoro carros clássicos e claro, amo reggae e a natureza. Daí penso, aqui no blog passo a imagem de ser uma pessoa completamente diferente da que sou e tenho medo disso! Quero ser quem sou e ser a blogueira que sou, tudo ao mesmo tempo, porque não ser tudo isso? rs

      MUITO MUITO MUITO OBRIGADA pelo seu comentário. Já li seu post também e até me abriu a mente para mais alguns assuntos aos quais eu quero conversar aqui e acabo esquecendo no meio dos pensamentos. Super beijo Gabriele, espero te ver mais vezes por aqui e também ler mais comentários seus, adoro comentários sem economia de palavras ♥

  9. Pingback: Links da Semana #2 - Penúltimo Andar

Write A Comment

Pin It