Archive

março 17, 2017

Browsing

Roube como um artista é um dos menores livros que já li, ainda assim, foi a leitura que mudou com mais intensidade a forma como eu vejo meu trabalho. São tantas quebras de regras – somos criativos, não precisamos de tantas! –  que toda a forma como você consome conteúdo muda.

Sabe aquela sensação gostosa de se identificar com cada palavrinha dita no livro? É bem isso!

A primeira vista, eu sinceramente me assustei com o nome, afinal, o que seria exatamente roubar como um artista? rs
Essa dúvida, Kleon – Austin Kleon, autor e ilustrador – consegue tirar logo na primeira página. Provavelmente você já ouviu dizer que, nada se cria, tudo se copia. Guarde essa ideia! É beeeem real e não de uma forma ruim.

Uma das coisas que mais gostei de aprender foi exatamente isso, que nada é completamente original. Quando criamos algo, estamos apenas fazendo uma seleção de tudo que lemos, ouvimos, assistimos ou conversamos. Entender que nossa criatividade vem de todas as nossas experiências abre os olhos pra um mar de oportunidades de roubos, se assim preferirmos falar!  livro roube como um artista

Nesse mar de oportunidades, a internet vem pra jogar ainda mais água, porque facilita o nosso contato com as pessoas a serem assaltadas. E repetindo, isso é algo maravilhoso! Passei a selecionar muito melhor a minha forma de consumir conteúdo, separar por categorias o que posso aproveitar e o que é melhor deixar de stand by.

Pra facilitar e também diminuir a variação de “outra coisa que amei no livro”, vou escolher um trecho de cada capítulo. Contém spoiler siiim, mas vai continuar valendo a pena ter o livro pra sempre do seu ladinho. ♥

Roube como um artista.

Você será tão bom quanto as coisas com as quais você se cerca. Minha mãe costumava me dizer: Lixo que entra, lixo que sai. Isso me deixava maluco. Mas agora sei o que ela queria dizer: Seu trabalho é colecionar boas ideias. Quanto mais ideias boas você tiver coletado, mais fontes terá para poder escolher quais vão te influenciar.  

Não espere até saber quem você é pra começar.

Sobre medos, ter certeza se está fazendo tudo do jeito certo…

Adivinhe só: Nenhum de nós tem. Pergunte a qualquer um que esteja fazendo um trabalho verdadeiramente criativo, e ele dirá a você a verdade: Não sabe de onde as coisas interessante vêm. Ele apenas está lá fazendo o trabalho dele. Todo dia.

Meu capítulo preferido! Toda vez que penso em “dar pra trás” leio esse capítulo de novo. ♥

resenha roube como um artista Escreva o livro que você quer ler.

O manifesto é esse: Desenhe a arte que você quer ver, comece o negócio que você que gerir, toque a música que quer ouvir, escreva os livros que você quer ler, crie os produtos que você quer usar – faça o trabalho que você quer ver pronto.

Use suas mãos.

Uma observação antes do trechinho. Eu bem dei um pouco dessa dica no post: Planejamento contra o bloqueio criativo. 😉

O computador é muito bom pra editar as suas ideias, e é muito bom para deixa-las prontas para publicar e lança-las ao mundo, mas não é muito bom para gerar ideias. Há varias oportunidades para pressionar a tecla delete. O computador estimula o perfeccionista perturbado em nós – começamos a editar as ideias antes mesmo de tê-las.

Outra observação: Claro que no nosso caso específico, temos sim que gerar nossas ideias aqui mesmo. Não seria nada produtivo escrever tudo a mão e depois trazer pra cá. Mas tem formas de usar as mãos pra ativar gatilhos no cérebro. Ex: Usar agendas de papel, fazer painéis de inspiração, rabiscar ideias… Pra deixar as ideias fluírem enquanto estamos aqui, escreve, se preocupa em editar depois. 😉

Projetos paralelos e hobbies são importantes.

Não se preocupe com a coerência entre ma parte e outra – o que unifica todo o se trabalho é o fato de que você o fez.

O segredo: Faça um bom trabalho e compartilhe-o com as pessoas.

Sobre ainda não ter a atenção desejada…

Isso, na verdade, é algo bom, porque você só quer atenção quando está fazendo m trabalho realmente bom. Não há pressão quando você é desconhecido. Pode fazer o que quiser. Experimentar. Fazer coisas só pela diversão. Quando você é desconhecido, não há nada que o desvie do propósito de melhorar.

Sempre pensei assim, é melhor ter calma. Acontece com um ou outro de por sorte, estourar e já começar a ganhar dinheiro nos primeiros meses, mas sabemos que a grande maioria espera anos pra ter ganhos com a sua criatividade. Vamos aproveitar todo esse processo! ♥

A geografia não manda mais em nós.

Você não precisa morar em qualquer outro lugar além de onde você está para começar a se conectar com o mundo que deseja entrar.

Seja legal ( O mundo é uma cidade pequena.)

Experimente: Ao invés de manter um arquivo de rejeições, mantenha um arquivo de aplausos. Use-o moderadamente – não se perca nas glórias passadas-, mas deixe-o por perto para quando precisar levantar o astral.

Vai dizer que não é uma delícia ler comentários que elogiam seu trabalho? Dê mais atenção a eles do que aos haters, sempre!

Seja chato ( É a única maneira de terminar um trabalho.)

P.S: Chato no sentido de organizações, responsabilidades…

Reunir uma obra consistente ou construir uma carreira tem muito a ver com a lenta acumulação de pequenas partículas de  esforço através do tempo.

Criatividade é subtração.

A maneira de superar bloqueios criativos é simplesmente se impor algumas restrições. Parece contraditório, mas quando o assunto é trabalho criativo, limitação é liberdade.

Não invente desculpas para não trabalhar – faça coisas com o tempo, o espaço e os materiais que você tem, agora mesmo.


Pode dizer, essa foi a resenha mais “spoilerzada” que você já viu na vida! rs

A ideia aqui também era poder roubar um pouco, na forma literal mesmo, mas por uma boa causa. O livro é tão bom, que não tem como explicar somente nas minhas palavras, tinha que ter um certo grau de palavras do Austin – fazendo a íntima – por aqui também.

Mais uma das coisas que eu acho sensacional no livro, é que ele fecha dando só mais um lembrete. Com S.Q.P.V : Sua quilometragem pode variar!
Ou seja, a ideia central é que você realmente aprenda a roubar como um artista, então tenha a liberdade de julgar o que vale pegar e o que não faz sentido pra você e pro trabalho que você executa! É uma forma maravilhosa de variar as fontes, mas sempre focado em reverter pro seu uso. ♥

Pra quem quiser conhecer um pouco mais o autor: http://austinkleon.com/

E você, o que acha de começar a criar o seu arquivo de roubos? Tem tanta gente maravilhosa nessa internet! 😉